Conheça a palestrante: Vanessa Andreotti

Titular da Cátedra Canadense de Pesquisa sobre Desigualdades e Mudança Global e professora da Faculdade de Educação, na Universidade da Columbia Britânica, em Vancouver, no Canadá. Formou-se em Letras na Universidade Federal do Paraná e foi professora de Ensino Médio por sete anos, em Curitiba. Iniciou sua carreira de pesquisadora na área de educação para o desenvolvimento internacional e cidadania global na Inglaterra, trabalhando depois em universidades na Irlanda, Nova Zelândia, Finlândia e Canadá.

Baseada em teorias pós-coloniais e pós-estruturalistas, sua linha de pesquisa aborda as políticas de construção do conhecimento e a ética de representações e relações transnacionais que refletem e são refletidas na educação.  Presta assessoria a várias entidades governamentais e não governamentais na área de cidadania e responsabilidade global, na qual publicou três livros, vários artigos acadêmicos e textos profissionais.  A síntese dos dez primeiros anos de pesquisa foi articulada no livro “Actionable Postcolonial Theory in Education”, publicado em inglês pela Palgrave MacMillan, que recebeu o prêmio de “excelente contribuição aos estudos de currículo” pela divisão de Estudos de Currículo da Associação Americana de Pesquisa Educacional.

Vanessa compartilhou as suas experiências acadêmicas e de mercado internacional no TEDxUnisinos 2014. Acompanhe a entrevista:

- De professora do Ensino Médio no Paraná para a Inglaterra. Como isso aconteceu?

Meu sonho desde adolescente era ser professora de ensino médio, na escola publica, e fazer a diferença para uma sociedade mais solidária e unida. A carreira acadêmica internacional aconteceu de uma forma completamente inesperada. Eu dei aulas por oito anos em Curitiba, em três turnos e três escolas diferentes. Depois fui contratada pelo Conselho Britânico para coordenar iniciativas de capacitação dos professores da rede publica e estabelecer parcerias com escolas na Inglaterra. Foi neste período que pude explorar as percepções de hierarquias culturais que se reproduzem tanto nas instituições quanto nas relações sociais. Essas hierarquias equalizam o crescimento econômico com a capacidade intelectual: quem nasce em um país mais rico é visto como mais inteligente. A partir daí eu decidi explorar como esses pressupostos se reproduzem, principalmente dentro da educação.

- Como foi tratar das percepções de hierarquias culturais fora do teu país de origem?

A minha iniciativa foi vista como inovadora na época, tanto nos projetos Paranaenses quanto na própria Inglaterra. Tive suporte de varias ONGS Europeias para continuar esse questionamento dentro da educação que acontece nos países ricos relacionada aos países mais pobres. Fui beneficiada com uma bolsa de estudos para o meu doutorado na Universidade de Nottingham dentro dessa área e comecei a trabalhar como coordenadora educacional no Centro de Estudos sobre Mudanças Sociais e Globais no Departamento de Teoria Política dessa universidade. Consegui financiamentos para projetos educacionais relacionados a movimentos sociais através de governos da Europa. Quando terminei meu doutorado, já com varias publicações internacionais de impacto no questionamento das hierarquias culturais em educação, fui convidada a trabalhar na Universidade Nacional da Irlanda. Depois disso trabalhei na Universidade de Canterbury, na Nova Zelândia, no departamento de estudos Maori (indígenas) na educação.

- Tens importantes trabalhos publicados no exterior. Enquanto pesquisadora brasileira, como és vista no âmbito internacional?

Em 2010 ocupei a única cátedra Europeia em educação global, na Finlândia. Nesse contexto, eu fui a primeira acadêmica estrangeira e mais nova professora titular contratada na Universidade de Oulu com 35 anos. Desde janeiro, trabalho na Universidade da Columbia Britânica, no Canadá, como Cátedra Canadense de Pesquisa em Desigualdade e Mudança Global. Esse programa de cátedras de pesquisa, tem o objetivo de trazer para o Canadá as “mentes mais promissoras e brilhantes”. Sou uma das poucas mulheres estrangeiras, visivelmente latino-americana, nessa posição de liderança na academia Canadense. Como as hierarquias sociais, culturais e existenciais, que são o foco da minha pesquisa, tem origem histórica e são reproduzidas sistemicamente, o trabalho de uma pesquisadora brasileira em levantar questões complicadas sobre renegociação de pressupostos e relações de poder é complicado. Mas é superimportante marcar presença para que as pessoas percebam tanto aqui quanto lá fora que a capacidade intelectual, de comunicação e de profundidade, não são exclusividade de nenhuma cultura. Isso é necessário para que a gente possa mobilizar a afetividade e a coragem para abordar questões difíceis, porem urgentes na construção de futuros alternativos.

Assista ao talk da Vanessa aqui:

embedded by Embedded Video

Quer saber mais sobre os demais talks? Clique aqui.

Deixe um comentário


IMPORTANTE!
Para enviar o comentário, você precisa resolver um simples cálculo (Nós precisamos saber se você é realmente humano ) :D

Quanto é 11 + 2 ?
Please leave these two fields as-is: