A tecnologia como aliada no resgate do cuidado

O cirurgião Leandro Cavazzola compartilhou suas experiências com o uso de robôs nos procedimentos

Não é novidade que a tecnologia é uma antiga aliada da Saúde, facilitando e qualificando cada vez mais os procedimentos cirúrgicos. Para muitos, a novidade pode ser o seu potencial em tornar os tratamentos muito mais humanos. Ajudar as pessoas, buscando a excelência para tornar as cirurgias o menos invasivas o possível é um dos objetivos do cirurgião Leandro Totti Cavazzola, especializado em cirurgia robótica no Hospital de Clínicas de Porto Alegre e último speaker do TEDxUnisinosSalon, realizado neste sábado, 1º, no campus Porto Alegre da Unisinos.

Robôs ou seres humanos? Máquinas ou médicos nas salas de cirurgias? Por que não unir as duas coisas? A fala do cirurgião foi repleta de dualidades e questionamentos para provocar a reflexão do quanto a robótica pode humanizar o atendimento. “Quando falamos do bem cuidar estamos falando em cuidar bem das doenças, mudando dispositivos tecnológicos conforme as necessidades, ou pensando no ato humano de cuidar das pessoas, conectar à dor delas e ao momento de fragilidade que estão passando, cuidando da alma de quem sofre? Os robôs podem nos aproximar dos pacientes e ajudar a minimizar a sua dor, como pessoas que têm inúmeros anseios além do apoio técnico”, detalhou.

Precisão. Essa palavra resume os objetivos dos primeiros robôs cirúrgicos, originados de adequações de instrumentos dos anos 80 para a neurocirurgia. A origem da palavra robô dá conta de um sistema programado para executar serviços programados. Neste sentido, uma importante característica a se destacar é a autonomia. As ferramentas robóticas usadas, até então, nas cirurgias, ainda passam pelo crivo dos médicos para a tomada de decisões, reforçando a parceria da dualidade humana versus tecnológica. “Se pegarmos o nicho da precisão, essa tecnologia tem tornado as cirurgias complexas mais factíveis. E o melhor ainda está por vir! Não estranhem se um dia verem nani robôs atacando células cancerígenas dentro do corpo humano”, afirmou Leandro.

Interação. Essa palavra, acompanhada de “realidade virtual” já são realidade em vários hospitais do mundo. A presença de familiares distantes junto aos pacientes, por meio da realidade virtual, tem resultado em recuperações mais rápidas e eficazes. “Isso é cuidar como um todo. Além de menos invasivos, os sistemas robóticos estão presentes em vários países, com o intuito de humanizar o atendimento e procedimentos, na tentativa de afastar do paciente a ideia de que está sendo tratado por uma máquina, mas por uma pessoa munida de tecnologia para atende-la considerando o seu contexto”, garantiu. “A tecnologia cada vez mais faz parte das nossas vidas, e essa história está apenas no início. É uma verdadeira aliada na tarefa tão importante do bem cuidar das pessoas”, concluiu.

Texto: Cândida Portolan

Deixe um comentário


IMPORTANTE!
Para enviar o comentário, você precisa resolver um simples cálculo (Nós precisamos saber se você é realmente humano ) :D

Quanto é 13 + 2 ?
Please leave these two fields as-is: